Perfumista sênior da Ginger, Fabiano Ramos, comenta sobre potencial do segmento no país

Perfumista sênior da Ginger, Fabiano Ramos

Milenar e com presença unânime no mundo, o mercado de fragrâncias cresce sem precedentes e o Brasil permanece na lista de potências. De acordo com o relatório de 2019 do provedor de pesquisa de mercado Euromonitor International, o país é o quarto maior mercado de beleza e cuidados pessoais do mundo, que engloba desde cosméticos para cabelo e pele a perfumes e produtos para higiene bucal, atrás apenas dos Estados Unidos, da China e do Japão. Na categoria de fragrâncias, os brasileiros conquistam o segundo lugar, logo em seguida dos americanos. “Seja dentro de casa ou nos produtos pessoais, todo mundo carrega uma fragrância. O Brasil, além de ser um dos países que mais consome, é também muito diverso em sua produção, graças à variedade de matérias-primas”, explica o perfumista da Ginger, Fabiano Ramos. Acompanhe a entrevista.

 

Complexidade e exigência

Como é hoje o mercado de fragrâncias? 

FR: Antes, tínhamos um shampoo. Hoje, temos um shampoo para cada tipo de cabelo. Isso sem contar no condicionador, creme para pentear, leave in, máscaras, entre tantos outros produtos. Então, as fragrâncias estão presentes de diversas formas na vida das pessoas. É um mercado  extremamente complexo, completo e exigente. Hoje, é possível desenvolver fórmulas que não causam alergias, para cada tipo de pele, veganas, com embalagens 100% recicláveis e seguindo as normas de sustentabilidade. O Brasil tem mostrado muito potencial e a Ginger conquista espaço em diversos segmentos.

Brasil

Hoje tem alguma fragrância que é vista como favorita pelo brasileiro?

FR: A lavanda aqui é a coqueluche, principalmente no mercado nordestino. Ela é a segurança pelo frescor, suavidade que transmite em suas notas. O brasileiro busca isso nos produtos de casa como lustra móveis, desinfetantes. Eles sempre vendem mais quando são de lavanda. Inclusive, hoje é possível desenvolver variantes da lavanda para torna-la mais atual, mais suave para alcançar novos públicos. Porém, existe atualmente um novo mercado que está mais ousado e aberto para experimentar novas fragrâncias.

 

E qual é a fragrância que lembra o Brasil?

FR: As notas cítricas, refrescantes, leves. As notas olfativas que transmitem conforto e frescor representam bem o nosso país, que tem o clima tropical e predominantemente quente.

Ser perfumista

 O que é ser um perfumista?

FR: Em um dos meus primeiros dias de aula, um professor me disse “Fabiano, a perfumaria é paixão, paciência e muita perseverança”. Você precisa entender o seu momento e perceber a sensibilidade. O humor está em prova a todo instante. Tudo pode interferir no seu trabalho. Para mim, um perfumista é uma lição de vida dentro do trabalho e na vida. Ser um perfumista é sentir e levar essas sensações para outras pessoas.

A Ginger

 Qual segmento hoje tem maior representatividade de vendas na Ginger?

FR: A perfumaria fina, por seu impacto e valor agregado. Em seguida, a perfumação de ambientes também têm muita força, seja casa, comercial, escritório. É uma forma de levar a personalidade das pessoas para os espaços.

Como a Ginger está posicionada no mercado de perfumaria?

FR: Hoje, nosso propósito é cuidar da indústria, dos colaboradores e da natureza para nos colocarmos internacionalmente como uma empresa de excelência. O respeito dos fornecedores, o volume de produção de fragrâncias para o mercado local, o cuidado e o respeito andam ao lado dessa imagem, que pensa cada vez mais alto. O DNA da Ginger é ágil, fresco, proativo!